Arvorescer do amor – Capítulos 5 e 6

Capítulo 5 Aquela circunstância inesperada o estava absorvendo, não desligava da ideia dos dois juntos, relembrando os bons momentos, quem sabe reacendendo a antiga paixão. Dormia sobre esta imagem. Distração mais ou menos eficiente Cassio só encontrava quando descansava da fadiga com a natação. Arrastaram-se os dias. Quarta, quinta, veio a sexta e lá foi …

Continue lendo Arvorescer do amor – Capítulos 5 e 6

Anúncios

Arvorescer do amor – Capítulos 3 e 4

Capítulo 3 A semana fluiu a passo de tartaruga para Cassio, e até mesmo bastante tranquila no trabalho. Essa tranquilidade deu aos peões, que estavam a par de seu encontro no final de semana, ocasião de ficarem opinando sobre como deveria o rapaz agir. – Depois é só deitar e rolar, filhão – concluíam eles …

Continue lendo Arvorescer do amor – Capítulos 3 e 4

Arvorescer do amor – Capítulos 1 e 2

Os jovens Cassio e Rúbia são dois corações que, por caminhos incompatíveis, se deixam mover pela mesma esperança de entrar na posse de uma morada de amor. Ele é pragmático e reservado, já ela, caprichosa e impulsiva. Rúbia é carnal; pela sua parte Cassio é mais alma. Ainda que tão pouco sintonizados possam ser, o destino parece conspirar para a união de ambos, resultando num conturbado caso de idas e vindas em que dar o seu coração ou buscar possuir o do outro se mostra como inevitáveis lances de dados. Nesse às vezes, aparentemente, impossível negócio de amor, vitória e derrota, sorte e azar, se confundem diante das grandes e pequenas lições que os voos do coração nos trazem a todos nós.

O troco de Gaia

A espécie humana, em relação ao planeta-nave que a abriga e transporta pela viagem universal da vida, se compara à traça que corrói o lugar onde se aloja. Será que evoluiremos antes do fim? E se pudéssemos ouvir a voz do Universo, alegraríamo-nos em saber aquilo que pensa a nosso respeito? Ouça o post.

A revolta da folia

Para falar da maior festa popular nacional, nada como um texto alegórico (em áudio). Entregar-se a essa grande distração não é em si mesmo ruim, mas preservar o mesmo espírito folião pelo resto do ano pode nos demover das obrigações de cidadão. Até quando o momento é de se permitir esquecer das responsabilidades, refletir é preciso.